eBooks Amazon

Traduzir Dê Português para Chinês Traduzir Dê Português para Espanhol Traduzir Dê Português para Italiano Traduzir Dê Português para Françês Traduzir Dê Português para Inglês Traduzir Dê Português para Alemão Traduzir Dê Português para Japonês Traduzir Dê Português para Russo
TRANSLATE

Geyme Lechner em sátira de terror sobre o livro "Amor Oculto" de Laura Elias


Oi pessoas bonitas do meu Brazillll!!!
Apesar de continuar me achando uma pata morta quando falo ao vivo, e ainda não tendo revelado os segredos do porque perco as palavras certas quando estou diante dos holofotes, aproveitei minha visita a Hollywood, onde estava com meu diretor artístico, Alex Lopes, para fazer um vídeo, e trazer até vocês, os últimos impropérios de Geyme Lechner Gouvêa, falando sobre “Amor oculto”, (o livro de arrepiar os pentelhos cabelos, escrito por Laura Elias).
Maximizem a tela, aumentem o som e assistam essa besteira até o final, please plizzz!
 


Título: Amor oculto
Autora: Laura Elias
Ed.: Mythos

ISBN: (Vou ficar devendo, emprestei o livro!!!!!!!)

Amor oculto é uma obra inteligente, recheada com mistérios, sedução, mortes, fantasmas e uma trama que vai muito além do previsível. Não se enganem pela capa hot do livro, (apesar de conter sexo em altas doses, sim senhor e obrigada), pois a história vai mui além de sexo e fantasias apelativas de amor e luxuria... Eu explico:
Bervely Manson é uma escritora que teve sua inspiração bloqueada ao matar a personagem principal de uma saga de sucesso. Após três anos de estagnação criativa, sem produzir ou conseguir escrever absolutamente mais nada, é através de um fantasma que a autora volta a criar. Os contos não terminados de Abgail Jacob, encontrados por Beverly em um antiquário, datam 1906, e devolvem a inspiração perdida à escritora Manson (a peladona do livro).
Novamente inspirada pelos contos de assassinatos escritos no passado por uma menina, Beverly ignora o aviso contido nos documentos que encontra nesse antiquário, e dá asas à imaginação ao criar o Poeta da Morte. Para o assombro da escritora (e do próprio leitor) o assassino criado por Beverly na ficção, ganha corpo na vida real.


Sabiamente mesclados, num enredo de tensão e muitos sedutores suspeitos, Amor Oculto, deixa-nos ansiosos por desbravar o mistério, a loucura, o real e o sobrenatural, e o presente amor oculto entre os personagens... Uma leitura que desde o começo, o leitor não tem ideia de como a trama seguirá, e muito menos, como terminará. Todos os personagens são potenciais suspeitos, e quando a gente acha que descobriu a identidade do assassino, aparece uma volta, uma reviravolta, uma nova conspiração, e todas as chances de chegar a uma adivinhação prévia, são eliminadas.
Não adianta, a autora (de carne e osso, quem escreveu “Amor Oculto”) sabia muito bem o que queria dizer, e prendeu, dificultou, amarrou e seduziu o leitor até a última linha. Tenho certeza que o Stephen King compraria essa ideia de olhos fechados!
São poucos os autores que sabem inovar e se reinventar como esse grande talento que eu trago hoje aqui, até vocês! Laura Elias, parabéns pelo seu talento! Que você tenha tantas andorinhas na primavera e no verão, como no outono e no inverno, para iluminar sempre seus pensamentos! Paz à alma, sucesso, luz, e ainda mais sabedoria! Eu gosto de tu pra caraioooo!!! (mas vou parar por aqui, ou vai pegar mal essa porra cheiracão de peido. (upss, risquei uma palavrota para escrever outra...)


Resenha no Skoob
******************
Entrevista malucona, round III: De cara a cara com Geyme Gouvêa
Laura Elias
Geyme Gouvêa
 X







GG- Você se inspirou em algo ou alguém para escrever “Amor Oculto”?
LE- Quando fiz o livro, estava cansada de escrever romances, queria algo diferente, mais forte e não sabia como fazê-lo. A idéia veio na primeira palavra: Andorinhas! Sei lá, foi meio um descarrego literário (risos), simplesmente fluiu. O ritmo inicial do texto veio de uma idéia do meu santo namorido, cuja paciência comigo faria Jó  ficar com vergonha. Não me inspirei em ninguém, mas gostei de fazer a Beverly, porque entendo bem o que é criar um livro, odiar um livro que criou, querer matar um personagem, buscar uma inspiração que não vem. E sei como é cabeça de escritor, uma doideira sem começo nem fim.
GG- Quanto tempo você levou para escrever essa ultima obra?
LE- Quinze dias, se não me falha a memória. Eu fazia dois a três por mês, então deve ter sido mais ou menos isso, não lembro mais. (Caraio, to falando que essa muié é doidona!!!!)
GG- Laura, você sabe...  A gente leva meses, (e até anos), para escrever um livro..., Você fica com vontade de esbofetear um leitor quando este afirma ter lido um de seus livros em apenas algumas horas?
LE- Não ligo pra isso. Sempre  imagino que quando alguém fala que leu em algumas horas, seja porque gostou tanto que não conseguiu largar. Melhor do que falar “levei dias pra ler e não consegui terminar” (risos).
GG- As pessoas que realmente conseguem ler um livro “em algumas horas” entendem o que leram?
LE- Sabe, também me pergunto isso algumas vezes. Algumas pessoas sim, outras tenho cá minhas dúvidas.
GG- O leitor quer se aparecer quando diz isso?
LE- Não sei, acho que cada caso é um caso. Tem quem leia rápido, tem quem queira se exibir. Tem de tudo neste mundo (risos)
GG- Qualquer um que publica um livro pode ser considerado e se autoconsiderar escritor? Isso é um processo automático?
LE- Absolutamente.  Há quilômetros de diferença entre escrever e ser escritor. Qualquer pessoa escreve, escritores são raros. Ser escritor implica em visão diferenciada, magia com  palavras, ter o toque preciso para transportar, inspirar e fazer sonhar os desconhecidos que o lêem.  Hoje o pessoal  acha que porque publicou um livro é escritor, mas na minha modesta opinião, não é assim que a banda toca, não. Tem muita gente por aí que ainda precisa comer muito angu para se auto intitular escritor.
GG- Um escritor pode ser criticado por colegas e amigos em relação a sua obra?
LE- Uai, pode, né? Ninguém é obrigado a gostar do livro alheio.
GG- Ou deve, obrigatoriamente, receber sempre elogios?
LE- Deve ser elogiado por terminar a obra, que sabemos bem não ser algo fácil, mas não necessariamente pela qualidade da mesma. Gosto, cada um tem o seu! E quem não agüenta críticas tem que mudar de profissão porque ninguém agrada todo mundo, isso não existe. Como fala o pessoal, se não aguenta o tranco, pede pra sair, porque as críticas vêem mesmo!
GG- Nós, como amigos desses escritores, quando lemos uma obra que não gostamos, devemos dizer a verdade ou mentir?
LE- Cara, isso é um pepino. Eu, que sou uma banana, fico em apuros quando alguém me pergunta se gostei ou não. Quando gosto, digo a verdade. Quando não gosto, fico procurando elementos do texto que achei legais e são estes que ressalto. Mas isso sou eu, que sou uma panaca. Talvez um dia fique corajosa e diga: “Olha, desculpe mas não gostei”. Por enquanto, dou voltas. Por outro lado, é importante diferenciar o texto do escritor. Muitas vezes a pessoa escreve super bem e o livro não me agrada, aí eu falo bem, porque estou vendo qualidades literárias no autor. O FODA é quando a pessoa escreve mal, isso eu não tenho coragem de dizer.
GG- Quantos leitores são necessários um escritor ter, para se considerar famoso?
LE- Não sei, Geyme, mas quando ficar famosa eu te falo, pode ser assim? (risos). Fama nem sempre vem pelo numero de leitores, há tantos caminhos neste mundo....
GG- Você, que faz muitas parcerias com os blogs literários, costuma pressioná-los para receber logo a resenha? Você costuma ficar muito doidona (mais do que já é) se alguém a critica?
LE- Eu não pressiono ninguém, às vezes até esqueço que mandei o livro (risos) e daí a pessoa envia um e-mail pedindo desculpas pela demora e eu fico com cara de parede, sem saber quem é aquela pessoa. Não ligo pra criticas no sentido ruim da palavra, mas leio o que a pessoa escreveu e me pergunto se ela tem razão, se de repente  as criticas são pertinentes e eu posso melhorar meus textos a partir delas. Como eu disse, opinião cada um tem a sua e eu respeito. Não é porque enviei um livro pra resenhar que a pessoa que o recebeu está obrigada a tecer elogios. E se não gostar, vai mentir? Não quero isso. Gosto de honestidade de opiniões, tô de saco cheio de gente politicamente correta, prefiro a verdade.
GG- O que você acha da parceria com os blogs que desaparecem de nossas vidas, depois que recebem nosso livro?
LE- Uma tremenda falta de educação.  É tratar o escritor feito lixo, e olha, tá cheio disso por aí, viu?
GG- Você autografaria uma cueca, se um fã lhe pedisse? Ou sairia pela tangente?
LE- Talvez... Dependendo da situação e de como fosse feito o pedido., autografaria na boa. Bom, depende também do dono da cueca... E você, autografaria uma cueca? (GG: Com certeza! Mas se ele a tirar do couro, vou ser obrigada a perguntar quantos dias tem de uso, dependendo da resposta, ou do cheiro, saio pela tangente.)
Geyme Lechner Gouvea

**************************************************
Hoje, ademais da Laura que me proporcionou tão indescritível e loucona leitura, quero aproveitar que estou meiga, para agradecer também ao meu amigão do coração, Alex Lopes, um cara que eu amo pra caraleo muito, que está sempre disposto a compactuar com minhas loucuras, nunca me faz cara feia (bem pelo contrário), e que tem humor, criatividade e talento, pra dar e vender! Caramba, mundo artístico é foda difícil e prazeroso demais!!
Beijos pra todos!!

Por trás dos bastidores da fama:


E quem disse que a Petrobrás  Não pagou essa Champanha???

E ahhh, quem quiser visitar a Laura e conhecer mais do seu trabalho, visitem o blog, dando um click aqui

E você, já pegou no livro hoje?

Ebook de Segundas Intenções na Amazon

eBook Best Seller na Amazon: Segundas Intenções

Oi gentem! Tudo certinho com vocês? Eu não poderia estar melhor! Rezemos! J ;)  A promoção dos meus eBooks na A...

Qualquer semelhança desse blog com a realidade, é pura cagada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilha mais essa asneira também, bro!!!